PARA TURISMO
CONTATO

NOTÍCIAS » O futuro do turismo no Vale Europeu

O futuro do turismo no Vale Europeu

Quando se fala no turismo catarinense, o Vale Europeu é sem dúvida um dos destinos mais lembrados. Além de ser palco de grandes eventos, a região tem se consolidado como uma referência para negócios e também para o turismo cervejeiro, que rendeu até um projeto chamado Vale da Cerveja, que apresenta opções de roteiros, hospedagens e gastronomia. Tudo isso é resultado do trabalho de entidades locais e do  Blumenau e Vale Europeu Convention & Visitors Bureau, que se dedica ao fortalecimento do trade turístico e captação de novos eventos, em parceria com empresas da região. Na entrevista, o presidente reeleito do BVECVB, Valmir Zanetti, fala sobre os desafios e as expectativas para os próximos anos. Confira:

– Quais são os maiores desafios de estar à frente do Convention Bureau?

São vários desafios, entre eles, está a busca pela integração do “trade turístico”, mostrando o potencial do Vale Europeu. Precisamos investir, planejar, profissionalizar, inovar e oferecer novas experiências, tanto para quem vem ao Vale quanto para quem investe no turismo.

– Quais foram as maiores conquistas da sua última gestão? Quais as expectativas para os próximos dois anos?

Uma das principais conquistas foi a implantação do Vale da Cerveja como destino turístico. A expectativa é consolidar o roteiro, reunir entidades mantenedoras, aumentar a base de associados, participar ativamente da construção do Plano Municipal de Turismo de Blumenau e trazer novos eventos para a nossa região. Além disso, outro objetivo é consolidar a instância de Governança Vale Europeu e ainda ver o Centro de Convenções operando.

– Como é o processo de captação de eventos? Quanto tempo antes de um evento ser realizado começam essas tratativas?

O turismo é sempre pensado em longo prazo. A captação de eventos por exemplo, é um processo lento, que precisa de investimentos, muitas viagens, relacionamento, vocação, envolvimento do trade turístico, além de toda uma estrutura local para receber o evento. Em média, são projetos com dois anos de duração.

– Em sua opinião, o que faz de Blumenau e do Vale Europeu uma referência para a promoção de eventos corporativos ou de lazer? Que diferenciais a região oferece?

Temos uma marca forte, temos uma grife. Temos um povo que quer fazer acontecer e fazer bem feito. Entidades determinadas e um governo que voltou a falar de turismo. Temos um Convention Bureau que, nas últimas duas gestões, pensa no trade turístico e na região, atuando coletivamente. O Vale Europeu oferece uma variedade de atrativos para todos os perfis e idades. Costumo dizer que nenhuma outra região conta com tantas opções como nós temos. Desde uma simples e velha “casinha” enxaimel até um dos maiores eventos cervejeiros do mundo. Temos ecoturismo, cicloturismo, turismo religioso, águas, montes, tirolesas, parques, zoológicos, excelentes hotéis, teatro, cultura, boa música, gastronomia e cervejas artesanais.

– Quais são as expectativas para o Vale da Cerveja?

A expectativa é transformá-lo em nosso maior produto nos próximos cinco anos. Temos a melhor região, as melhores cervejas, uma boa hotelaria e gastronomia, sem falar no fácil acesso às praias, serras e aeroportos. Para que isso aconteça, precisamos da dedicação do trade turístico e também do apoio da iniciativa pública, com a BR-470 duplicada, por exemplo.

– De que forma a entidade irá estimular o fortalecimento do turismo local em 2017? Que ações estão sendo planejadas?

Para os próximos dois anos (2017 e 2018), o objetivo é manter as ações para a captação de eventos com a chegada de uma nova contratação para o setor. Continuar participando de eventos de divulgação em todo o Brasil, por iniciativa própria ou ainda em parceria com a Secretaria de Turismo de Blumenau, Beto Carrero, com a cidade de Balneário Camboriú, entre outros. Está também em nosso planejamento o apoio à Secretaria de Turismo de Blumenau, na busca de recursos para a execução do Centro de Convenções na cidade. Além de estar cada vez mais próximos das entidades regionais e órgãos públicos.

Voltar